O pão pelo mundo

A massa original veio do Egito, mas cada país criou sua receita,
adaptada à sua cultura – da icônica baguete francesa
a outros pães que levam quinoa, iogurte e até milho


O primeiro pão surgiu no Egito por volta de 4.000 a.C., como uma massa ainda dura e amarga, já apreciada por sua capacidade nutritiva. Mas, assim que os egípcios dominaram o processo de fermentação, começaram a aparecer receitas de pão assado com frutas e tâmaras. “Não foi preciso muito tempo para que houvesse 50 variedades de pão”, escreve o historiador Heinrich Eduard Jacob no livro “Seis Mil Anos de Pão – A Civilização Humana Através de Seu Principal Alimento”, publicado originalmente em 1944.

Pelas mãos dos fenícios, o pão saiu do Egito, chegou à Grécia antiga e, de lá, espalhou-se por toda a Europa. Hoje, é um dos alimentos mais importantes do mundo. Consumido em todos os continentes, é uma relevante fonte de carboidrato.

Mas não é só isso. “O pão está intimamente relacionado à cultura de cada país, que no desenrolar dos séculos foi adaptando a receita básica de farinha de trigo, água e sal a sua história, seus gostos e cultura”, diz o padeiro Rogério Shimura, proprietário da Levain Escola de Panificação, em São Paulo (SP).

O pão de cada país



Fonte: Sindicato dos Padeiros de São Paulo – Projeto Memória

Perguntas e respostas